28 de agosto de 2015

Tour Museus em São Paulo, SP: Pinacoteca, Museu da Língua Portuguesa e MASP

São Paulo é recheada de museus! A cidade oferece opções para todos os gostos e bolsos, principalmente àquelas voltadas ao universo artístico e cultural. Eu sou apaixonada por museus e histórias, então fiz questão de visitar os principais pontos de arte da cidade pelo pouco tempo que estive lá. Conto pra vocês tudo que vi e o encantamento que tive por lá.
Pinacoteca
Exposição A viagem das Carrancas [sem fotos minhas]
Ao ver essa exposição lembrei-me imediatamente da viagem que fiz a Barra, Bahia em 2007 pra conhecer o bispo católico Luís Flávio Cappio que, na época, estava na sua 2ª greve de fome em protesto pela [falida] transposição do rio São Francisco.
A exposição mostra várias carrancas, o símbolo do Velho Chico, responsáveis, segundo a crença, por espantar os maus espíritos sobre a navegação nas suas águas. Há peças esculpidas em madeira que retratam desde a indefinição à completa representação de animal mesclado à figura humana. Também há fotos feitas pelos grandes ícones Pierre Verger e Marcel Gautherot, quando em viagem pelo interior da minha Bahia. São impressionantes e um pouco assustadoras.
Olha a arte: consegui fazer uma selfie meu e dela!
Exposição Mulheres Artistas: as pioneiras (1880-1930) [sem fotos minhas]
A exposição temporária retrata a inserção das mulheres no sistema artístico brasileiro, ação que vai totalmente contra as restrições do século XIX-XX, onde as mulheres deveriam assumir as responsabilidades do lar, dos filhos e do marido. Segundo a curadoria, as obras são de cunho amador, mas trazem em si a alma das mulheres pintoras que contrariam esse rótulo: as técnicas usadas são extremamente avançadas. Nelas estão retratadas cenas do cotidiano e os corpos nus ou vestidos, mesclando nas obras os gêneros de natureza morta e retratos. Infelizmente não pude fotografar, mas valeu a visita.
Fachada do prédio da Pinacoteca. É lindo!
Exposição A arte no Brasil: uma história na Pinacoteca de São Paulo
Esta mostra está em grandes proporções: são 500 obras espalhadas por 11 salas no prédio da Pinacoteca. Ela retrata a construção da arte no Brasil, desde a formação da visualidade até a estruturação de cursos de pintura de obras de artes, venda e a formação de museus e exposições para difusão da arte no país. Há vários tipos de obras [pintura, escultura, desenho, gravura, fotografia] de vários artistas como Debret, Taunay e Cândido Portinari. É uma aula de arte para leigos [como eu]!
Algumas obras dessa exposição: [esq.] Torso de Menina (1895), de Eliseu Visconti; [centro] Cabeça de Italiana (1907), de Georgina de Albuquerque; [dir.] Canção Sentimental (1904), de Berthe Worms.
Algumas obras dessa exposição: [ind. esq.] Mulheres de Argel em seu Aposento (1798-1863), de Anita Malfati, gerada a partir da cópia de uma obra de Eugéne Delacroix; [sup. esq.] Aspargos (1900), de Pedro Alexandrino; [esq.] Paisagem (1900), de Pedro Weingärtner.
Exposição Antoni Abad - Magafone.net/2004-2014 [sem fotos minhas]
Essa é muito interessante: Antoni Abadi, um historiador espanhol nascido em Lleída, resolve reunir histórias de grupos marginalizados em todo o mundo e as mostra a partir de textos, vídeos e fotos gerados através de telefones celulares. O projeto que durou 10 anos, tem a colaboração de pessoas do Brasil [os motoboys], México [os taxistas], Colômbia, Estados Unidos [os cadeirantes], Espanha [os ciganos] e de outros países. Abadi, de modo diferente [talvez inovador também], usa os registros como um megafone a fim de difundir a cultura desses grupos tão desprezados pela sociedade e, ajudando também a desmitificar os preconceitos e esteriótipos gerados sobre esses grupos. O intercâmbio cultural é imenso!
“O megafone.net é um verdadeiro observatório de experiências e posicionamentos que apresenta novas possibilidades de uso aos celulares e foi pioneiro na construção de redes sociais virtuais. Foi realizado no Brasil e ganhou grande repercussão na mídia. Permanece ativo até hoje, ainda questionando as realidades culturais e os diferentes contextos econômicos e políticos”, disse Abad. [Extraído do site da Pinacoteca]
Obras expostas nos corredores da Pinacoteca. Olha essa fonte colorida; uma perfeição!
Um dos espaços da Pinacoteca.
Gente, o prédio é muito lindo e imponente! A coleção de obras é incrível! Amei tudo! Mas aí você percebe que está faltando algumas fotos, não é? Então, fiz vários vídeos mas perdi todos [arrasada]. Mas o que ficou você vê por aqui.
Museu da Língua Portuguesa
A nossa língua é fantástica e o Museu da LP também! Nunca poderia imaginar um museu totalmente tecnológico para contar a história do português. Não há livros, mas telas de LED; não se folheia, é touch; não apenas se lê, mas se ouve... muita história, muitos sotaques, muitos falares.
Fachada da Estação da Luz onde fica também o Museu da Língua Portuguesa.
No museu há vários totens digitais que mostram os idiomas que influenciaram a formação da língua [espanhol, francês, inglês, tupi...], um mapa linguístico digital para ouvir os falares do Brasil [sotaques e vocabulários distintos], uma linha do tempo com a evolução da língua desde seu nascimento até os dias de hoje, um imenso, mas imenso painel que mostra a história das pessoas e sua relação com o português do Brasil e, por fim, uma salinha com um jogo chamado "Beco das Palavras" para formar palavras: a cada palavra formada você ouve a história dela.
Museu da Língua Portuguesa.
Todos os dias há uma apresentação no auditório [à tarde é às 15:30] que é um misto de emoções: um vídeo com a história da língua portuguesa, lindamente narrado por Fernanda Montenegro e depois a surpresa: a tela do auditório é suspensa e passamos para trás do palco. Lá estão umas arquibancadas e somos convidados a sentar na completa penumbra para apreciar, com todos os sentidos, poemas e fragmentos de textos de escritores brasileiros recitados e cantados por famosos também brasileiros: Maria Betânia, Mateus Nachtergaele, Paulo José e tantas outras vozes que ressoam o bom português. É o chamado "Planetário das Palavras". É muito lindo! Não se pode filmar nem fotografar enquanto a apresentação acontece, mas ao final dela podemos fotografar o belo chão iluminado com os fragmentos do que ouvimos. É mágico!
Projeções no chão do auditório do Museu da LP. Esses são os textos recitados durante a apresentação. 
Museu de Arte de São Paulo - MASP
Fui ao MASP em uma terça-feira [aproveitando que também é gratuito neste dia] e conferi três perfeitas exposições. Confesso que era meu sonho visitar esse museu!
Exposição Arte da França: de Delacroix à Cézanne
A exposição traz obras originais de pintores franceses mais memoráveis da história, àqueles que só vemos ilustrando as páginas do livro de Literatura e História!
Ficarei devendo o nome das obras. Sei que a da esquerda é de Van Gogh.
Sala da exposição Arte da França.
Pude ver de perto obras de Renoir, Toulouse-Lautrec, Modigliani e Manet, e também de artistas não franceses como Van Gogh, Gauguin e Picasso todos em só lugar! Os gêneros são variados: cenas do cotidiano, cenas históricas, natureza morta, paisagens e retratos. O vídeo abaixo mostra a entrevista com o curador assistente Fernando Oliveira que explica tudo com detalhes.
Exposição História da Loucura: desenhos do Juquery
Localizada no subsolo do MASP, a exposição reúne mais de 100 desenhos feitos pelos pacientes do Hospital Psiquiátrico do Juquery, localizado na cidade de Franco da Rocha em São Paulo. O título dela foi inspirado no livro "A história da loucura" do francês Michel Foucault.
Sala da exposição História da Loucura.
A ideia de incentivar os pacientes a pintar veio do médico psiquiatra Dr. Osório César, que atuou por mais de quatro décadas na unidade hospitalar. Foi casado com a grandiosa pintora brasileira Tarsila do Amaral que o influenciou e o ajudou muito no seu projeto. Depois de duas exposições no museu, o médico decidiu doá-las à instituição e hoje fazem parte do arquivo permanente do MASP.
Obras dos pacientes. A grande maioria delas não tem título.
As obras são extremamente interessantes e a maioria delas retrata o cotidiano dos pacientes: há cenas de sexo explícito, sonhos e devaneios, imagens religiosas... um misto de imaginação, loucura e realidade.

Exposição Arte da Itália: de Rafael a Ticiano.
Mergulhar no universo artístico italiano foi um presente cultural para mim que estou aprendendo o idioma do "Bell Paese" [assim como eles mesmo chamam]. A exposição conta com obras de Rafael, Mantegna, Bellini, Ticiano, Tintoretto e outros.
Sala da exposição Arte da Itália.
Obras da exposição Arte da Itália.
[esq.] obra A virgem com o menino de pé; [centro] autor Maestro de San Martino alla Palma; autor Maestro del 1416.
Mesmo sendo as obras do mesmo país, Itália, percebe-se a diferença de estilos, traços, formas e cores de cada artista. É reviver o passado e a formação de um país que ainda é muito novo como nação: apenas 150 anos! E aí vai mais um vídeo em que o curador assistente Tomás Toledo traz um panorama geral:
Alguns detalhes importantes:
  • Valores das entradas: a Pinacoteca é gratuita, o MASP é R$ 25 a inteira e R$ 12 a meia entrada e o Museu da LP é R$ 6 a inteira e R$ 3 a meia. Creio que em ambos as entradas podem ser pagas no cartão de crédito ou débito.Vale a pena, né?
  • Chegar a todos eles de metrô é muito fácil e rápido: para a Pinacoteca e o Museu da LP [um é em frente ao outro], chegue até a Estação da Luz e para o MASP a estação Trianon-MASP [só não lembro as linhas, mas isso é muito fácil de descobrir no metrô mesmo].
  • Pra saber mais sobre a Pincoteca, baixe o app "Pinacoteca de São Paulo" na Play Store [acho que também tem para Windows Phone e Apple] com todo o acervo do museu. Dá pra visitar sem sair de casa!
  • Há sites oficiais dos três museus com mais informações. Antes de ir é bom acessar para saber o que há de novo.
Se for à São Paulo, não deixe de visitar esses museus ícone que trazem pedaços significativos da história humana. Recordar é saber quem você é!

19 de agosto de 2015

Cachecol Infinito e suas Variações

O lindo inverno está aí, nos lembrando que todos os dias são frios e que precisamos nos proteger. Um acessório que é sempre bem vindo é o cachecol, uma boa pedida pra aquecer o pescoço.
Do Pinterest.
Sempre busco modos diferentes de usar os vários que tenho em casa e, nos últimos invernos vi umas fotos e posts em blogs gringos sobre o infity scarf ou, pra nós, cachecol infinito. Pesquisando  informações e imagens no guru Pinterest, descobri que esse tipo de peça consiste em um tecido comprido, preso em ambas as pontas, formando um círculo infinito. Bem simples, né? Mas aí vem a coisa interessante: as variações para esse acessório! Tem renda, pedraria, botão... e isso chamou muita minha atenção. Divido com você alguns ideias que podem ser feitas em casa.
Estas versões tem fechamentos de fita, botões de pressão e botões. De [esq. - dir.] Etsy, Blog Carol Online Fashion e Ravelry.
Rendas e aviamentos fazem o charme desses modelos. Diferente dos anteriores, estes são totalmente fechados formando o infinitoDe [esq. - dir.] Humble Bee and Me, Buzz Feed e Blog (?).
A versão em crochê ganhou flores e uma amarração e as outros duas ganham um cinto para arrematar a costura e dar charmeDe Etsy.
A peça é muito versátil tanto nas suas variações quanto nas possibilidade de uso, pois pode ser combinada com qualquer look de inverno: saia, calça, vestido... tudo fica bem!
As versões com pedraria se aproximam de colares. De House of Shakti.
Apesar do tecido menos volumoso, fazem o papel também de cachecóis. Podem ser usadas de várias formas. De House of Shakti.
Do Pinterest.
Do Pinterest.
Ah, e pra não esquecer: o cachecol é estreito, comprido e feito com tecidos pesados como a lã, e se difere do echarpe, que é faixa retangular, larga e comprida, feita com tecidos mais leves, como o algodão.
Tudo ok? Agora partir para usar o infinito...

17 de agosto de 2015

Um Pulinho em São Carlos, SP

Mais uma cidade para colocar no meu mapa! Desta vez coloquei o pé em São Carlos, no interior de São Paulo [exatamente 230 km da capital] e conheci um pedacinho bem a cara do interior paulista. Fui pra um Congresso de Professores de Espanhol para ministrar uma oficina sobre autoestima na Universidade Federal de São Carlos - UFSCar e fiquei encantada com a beleza da cidade. [Desvantagem: muita ladeira!]
São Carlos vista da Estação Cultura. É muita ladeira...
Pra essa viagem resolvi mudar um pouco o cabelo, então fiz escova depois de quase 3 anos sem fazer nenhum tipo de tratamento para alisar. Já tinha até esquecido qual era a sensação de ter o cabelo sem cachos. Foi bom relembrar, eu gostei!
Aproveitei o cabelo liso para usar e abusar do meu chapéu de feltro. Ele é ideal para o inverno e é cheio de estilo. Falei deles em um post aqui no blog.
Em São Carlos passei apenas dois dias, mas pude conhecer os cantinhos de cultura mais interessantes do lugar. Comecei o tour pelo Museu de São Carlos, mais conhecido como Estação Cultura, de entrada gratuita. O museu fica em uma estação de trem que ainda está ativa para transportes de cargas.
Museu de Carlos. o símbolo dele é uma carruagem devido à relação dela com D. Pedro II e a cidade de São Carlos.
Uma fofura esse dois esperando o trem, e eu no meio atrapalhando o clima!
Nele há uma sala com exposições itinerantes [estava em cartaz a exposição sobre a Guerra de 1932, mais conhecida como a Guerra Paulista, movimento ocorrido na cidade para a derrubada do governo de Getúlio Vargas], a réplica da locomotiva que trouxe D. Pedro II à cidade [pena que não tenho foto] e a réplica da luxuosa e moderna [para a época] da carruagem em que D. Pedro II passeou pela cidade de São Carlos na sua visita em novembro 1886. A réplica foi colocada na sala para lembrar desta ilustre data.
Foto em destaque: figura representativa da exposição; foto sup. dir.: Exerto do volante anti-Vargas que circulou no Rio de Janeiro em 1932; inf. dir.: utensílios usados pelos soldados no momento das refeições - cantil, marmita e talheres. 
Cartazes que convocavam mulheres para servir como enfermeiras e homens para servir como soldados.
Réplica da carruagem em que D. Pedro II passeou pela cidade de São Carlos.
Na verdade, queria a foto dentro da carruagem, mas como não podia...
A segunda parada foi no Museu da Ciência de São Carlos Prof. Mário Tolentino, também de entrada gratuita.
Fachada do museu. Da Fanpage no Facebook.
Na entrada, conferi a exposição "Computação e Copa num só ritmo: a história da computação e das Copas do Mundo de futebol juntas numa exposição" que mostrava através de painéis a evolução da computação em companhia da cronologia da história das Copas do Mundo de 1930 a 2014.
Exposição Computação e Copa num só ritmo. Os painéis ao redor da sala traziam informações sobre as copas: cidade sede, vencedores, nome, foto e material da bola e outras informações.

No centro da sala haviam alguns aparelhos de computador e máquinas de calcular de várias épocas para mostrar a evolução desses aparelhos eletrônicos a partir dos avanços tecnológicos. Só ficava pensando se existisse o Facebook nessa época, como seria para manter-se atualizado em tudo com aquelas "lindas" máquinas?!

O que mais me chamou a atenção na exposição foram essas relíquias: 1. Máquina de Calcular "MADAS", 1940, fabricada na Suíça; 2. Calculadora HP, 1972, fabricada nos EUA; 3. Terminal Inteligente Scópus;  4. Computador Dismaq, 1982, fabricado no Brasil; 5. sem informação; 6. Computador pessoal Compaq, 1996, fabricado no Brasil.
Depois, cheguei no acervo da Sala de Experimentos. São 129 experimentos na área da Física que você pode tocar, experimentar e se divertir para aprender. Comecei pelo Corredor de Espelhos e conferi minha forma em vários deles, experimentando a ótica. A sensação é muito interessante. Parece mais coisa de desenho animado!
Brincando com espelhos. Amei as várias perspectivas. Só fico imaginando um desses na hora de montar o look.

Segui explorando outros brinquedos-experimento para entender como funciona as leis da físicas que operam no nosso dia a dia. Brincar com eles foi muito legal! Dica: É bom visitar a Sala de Experimentos com a ajuda do monitor, pois ele pode ajudar a manipular os aparelhos, pois nem todos tem instruções.

Sala de Experimentos. Da Prefeitura Municipal de São Carlos.
Maxi jogo de xadrez.
Por fim e ainda no museu, conferi a exposição "PaleoBrasil - na trilha dos dinossaurospromovida em parceria com o Departamento de Ecologia e Biologia Evolutiva da UFSCar. Pude ver réplicas de esqueletos de um Abelissauro e de um Anhanguera, além de diversos tipos de fósseis encontrados no Brasil. Não fazia ideia que nosso país pudesse ter uma história tão rica com os dinossauros e fósseis!
Esqueletos de um Abelissauro e de um Anhanguera [não sei quem é quem]. Acredito que esses encontrados no Brasil.
Diversos tipos de fósseis.
Saindo do Museu de Ciências e apenas atravessando a rua, fiz minha última parada no Espaço Cultural Acervo "Antonio Ibaixe" que guarda uma raridade: 100 gravuras originais do espanhol Salvador Dalí ao belo estilo surreal!
Galeria Antonio Ibaixe. O espaço é bem pequeno: cabe apenas 20 pessoas por vez. Do site da Prefeitura de São Carlos.

A exposição "A Divina Comédia: Dalí rumo ao paraíso de Dante" retrata com gravuras os 100 cantos da obra "A Divina Comédia" do italiano Dante Alighieri escrita no século XIV (1304 a 1321) em três atos - Inferno, Purgatório e Paraíso. O acervo foi doado pelo são carlense Antonio Ibaixe, o qual possuía todas essas obras do artistas em sua galeria de arte pessoal. O museu, criado especialmente para receber as obras, é bem recente: foi inaugurado em 2014 e a entrada é gratuita.

Algumas das gravuras de Dalí. Do Portal G1.
No fim da viagem tive o prazer de comemorar meu aniversário [foi dia 30 de julho] junto com os amigos professores que estavam no congresso. Saímos para a Pizzaria Florença para passar bem a noite: o rodízio de pizza estava maravilhoso [comi até pizza de Doritos, de picanha e de sorvete que não derretia!], ganhei desconto na conta e até um "parabéns para você" e música dedicada a mim na noite. Amei!
É sempre bom estar entre amigos! Tem gente de todo o canto: Minas Gerais, Bahia, Santiago [Chile] e Peru!
À esquerda, pizza de sorvete que não derretia e, à direita, pizza de Doritos. Uma delícia!
Bem, agora vem a parte triste da história: com todo cuidado fiz vídeos, e vídeos e mais vídeos, na intenção de mostrar tudo em cores, mas... acabei deletando mais de 70% dos arquivos sem querer! [Arrasada!] Então, o que me restou foi postar algumas poucas fotos que tirei. Mas sem desânimo! Seguimos com a viagem. Próxima parada: São Paulo!

7 de agosto de 2015

E lá se foi Julho...

Acabou o mês de meu Aniversário! Foi um mês tão lindo, cheio de trabalho e de surpresas boas ao desbravar lugares novos e rever gente querida. Vamos ao resumo?

Guia de coturnos pra usar Já! De Chicisimo.
Fotos dos posts do mês: Detalhes do inverno e Organizador de esmaltes.
No Instagram  acompanhamos meus  # AcessóriodoDia  pra inspirar você e vimos quem aparece na galeria #GentequeUsa com os produtos personalizados do ateliê. Este mês apareceu a Melissa Barbosa e a Dai Gomes, minha irmã linda.
Meus acessórios do dia. Destaque para o meu brinco de lacre de latinha que eu mesma desenvolvi. Amo reciclar coisas!
As divas DO MÊS DE JULHO na galeria Gente que Usa.
No finalzinho do mês coloquei o Pé na Estrada e fui pra São Carlos e São Paulo, capital, ambas em São Paulo. Conhecer cada cidade foi maravilhoso! Tenho algumas boas histórias pra contar e uns vídeos bem legais pra editar e postar.
Despensa legenda ... São Incríveis!
Tambem comemorei meu Aniversário duas vezes em grande estilo: comendo com os amig@ s! Foi um ano mais lindo que já tive em relação ao aniversário. Logo conto tudo!
De boca aberta, mas tá valendo! O que importa é o momento e a espontaneidade da foto!
Vamos that vamos Por Que aí VEM agosto!