27 de fevereiro de 2014

As brasileiríssimas Cataratas do Iguaçu, Foz, PR

Pra curtir as cataratas só com roupas leves e confortáveis.
Por fim, as Cataratas do Iguaçu no Brasil!
Você já viu a Tarde Leve no Parque das Aves e se emocionou com as Belíssimas Cataratas do Lado Argentino, então chegou a hora de conhecer as cataras brasileiras. Este lado também é lindo e, sinto-me agraciada  em saber que nosso país também tem um pedaço desta maravilha. Confesso que o passeio pelo Parque Nacional do Iguaçu é rápido, dura em média umas 3h a passos muito lentos, regados de milhões de cliques, mas também é surpreendente. Então, vamos ao passo a passo:
Ao chegar o parque, pagamos uma entrada [deixo o site abaixo para conferirem os preços] e seguimos à plataforma de embarque dos ônibus panorâmicos. Ao longo da viagem há paradas nas estações para o acesso aos passeios oferecidos pelo parque mas, claro, todos pagos. A última parada é no Mirante das Cataratas, a primeira mostra das lindas cachoeiras.
Os primeiros recepcionistas são os fofos quatis, que logo vem atrás de comida. Eles tem um faro incrível e conseguem sentir o cheiro de qualquer coisa comestível de longe. Neste dia, eles pularam na sacola de uma turista e quase levaram a mamadeira do bebê dela! Ainda subiram na mochila de meu namorado, quando ele estava agachado para tirar uma foto, só atrás do maravilhoso alimento. Roubos à parte, eles continuam lindos e super espertos! Mas, cuidado: eles também machucam. Vi eles arranharem uma senhora porque suspeitaram que na sacola dela tinha comida! E o arranhão ficou feio de modo que os monitores levaram ela para a enfermaria.
Depois do susto... O passeio começa ao descer um longo caminho com rampas e escadas. Mais uma vez, como recomendei no post As incríveis Cataratas Argentinas: roupas leves e sapatos confortáveis, além de muita água para hidratar, principalmente se forem nos dias em que o sol e mormaço estão dispostos a matar você!
Ao longo do caminho há vários pequenos mirantes para observação das cataratas, que vão aumentando a adrenalina até chegar ao ápice! É legal também pois se pode ver o lado argentino, dando a possibilidade de ver tudo de forma panorâmica. No final do caminho o presente: as quedas das cataratas brasileiras bem pertinho!! Do outro lado nuestros hermanos argentinos.
A principal passarela para observação bem de pertinho...
Pra não se molhar é bom levar uma capa de chuva ou então comprar lá mesmo no parque, principalmente para quem tem o cabelo de verão! Bem, não tinha o cabelo de verão, mas não quis molhar-me!
Preciso confessar uma pontinha de inveja: os argentino ficaram com a maior parte das cataratas, pois claro, estão nas suas terras e, por isso, souberam aproveitar muito bem esta maravilha de forma a criar rotas longas, prazerosas e, a melhor parte, gratuitas! No lado brasileiro é possível observar as cataratas de modo amplo, se assim posso dizer, pois há muitos mirantes, mas ainda sinto-me privilegiada em poder afirmar que NÓS TEMOS UM PEDAÇO DA CATARATAS!
Para saber mais, acesse o site oficial das Cataratas do Iguaçu e divirta-se!

22 de fevereiro de 2014

As incríveis Cataratas do Iguazú na Argentina

Depois que você já viu o post Tarde Leve no Parque das Aves, chegou a hora da emoção! Esse post é de tirar o fôlego! Ah, ele é longo também [kkkkkkk...] A emoção que senti ao ver as Cataratas do Iguazú do lado argentino são indescritíveis. Mas claro, tentarei descrever de forma transparente minhas sensações, mas já recomendo: você precisar ver pra saber como é ao vivo e em cores, muitas cores!
Entrada do Parque Nacional de Iguazú, Argentina.
As Cataratas do Lado Argentino, como são popularmente chamadas aqui no Brasil, ficam na cidade de Puerto Iguazú, província de Misiones, Argentina. Esta cidade faz fronteira com Foz do Iguaçu e o acesso até lá é muito simples. Logo, logo explico mais abaixo.
Ao entrar no Parque Nacional argentino, caminhamos alguns metros entre pequenas lojas charmosas que oferecem todo tipo de produto da região, como erva mate, o chimarrão [um dos nomes em espanhol é mate e o "canudo" se chama bombilla], o delicioso alfajor Havanna [hum... tudo de bom!] e lembrancinhas personalizadas com o nome do parque, etc., em direção à Estación Central onde embarcamos em um simpático Tren Ecológico.
No trem que nos leva dentro do parque, mas quem quiser ir caminhando, também pode.
O trem nos leva ao início dos passeios, apesar de que há, antes da estação, curtas trilhas [senderos, em espanhol] para se realizar. Desembarcamos na Estación Cataratas e desde aí temos a opção de fazer o Circuito Inferior, Circuito Superior ou embarcar em outro trem até a Estación Garganta del Diablo. Optei por fazer primeiro os circuitos. Lembrete: todos os circuitos se fazem à pé, então é bom ter um sapato confortável  [tênis é ideal], roupas leves e água sempre à mão, principalmente em um dia muito quente.
Entrada do Circuito Superior. O legal de lá é que é muito bem sinalizado!
O Circuito Superior é o mais curto com 650 m, onde se pode ver as quedas d'água, chamada de saltos: Salto Dos Hermanas, Salto Chico, Salto Bossetti, Salto Adán y Eva, Salto Gpeque Bernabé Méndez e Salto Mbiguá.
Circuito Superior.
Vista do Circuito Superior.
O Circuito Inferior tem 1400 m e se pode ver de forma privilegiada, de baixo pra cima, todos os saltos citados acima, além dos saltos Lanusse, Alvar Núñez e a Isla San Martín, uma pequena ilha no meio do rio.
Dá pra ficar bem perto do Circuito Inferior. E eu querendo dar o tchau de Miss... Faltou a classe! [kkkkk...] 
Depois de percorrer os circuitos, a última parte do passeio que fiz foi a incrível Garganta del Diablo. Para chegar lá peguei o trem na Estación Cataratas até a Estación Garganta del Diablo e percorri 1100 m a pé sobre as passarelas acima dos braços do rio. A vista da garganta é indescritível!
Passarela à caminho da Garganta del Diablo.
Essa é a famosa Garganta del Diablo. Infelizmente no dia que fui o tempo não estava muito bom, então a força das água era bem maior e não permitiu ver com mais detalhes, Mas o espetáculo é lindo!
O Love e eu só fazendo pose.
Há cerca de 6 anos atrás visitei as cataratas do lado brasileiro e me disseram que o lado argentino é mais bonito. Estavam certos! A Argentina tem a maior parte das cataratas devido à localização geográfica, e eles souberam aproveitar muito bem o lugar com a colocação estratégica de passarelas e caminhos dentro da mata. Outras opções de caminho estão sendo construídas e acredito que, em breve, estarão abertas.
Quatis [Coatíes, em espanhol]: moradores do parque nacional que são lindos e dão um show de simpatia, mas também de astúcia: são experts em roubar comida!

Como chegar às cataratas argentinas desde Foz do Iguaçu

Agora vamos ao caminho e aos preços. Considero esta parte mais importante e quero deixar o máximo de informações, pois não quero que sofram como sofri pra chegar até lá. Bom, descrever que foi um sofrimento é um exagero de minha parte, mas foi difícil encontrar informações precisas sobre como chegar até o lado argentino partindo de Foz do Iguaçu.
Fiquei hospedada no Hotel Normandie na R. Quintino Bocaiúva, bem no centro.  A localização é ótima, pois fica próximo de muitos pontos comercias, pontos de ônibus restaurantes... Na Av. JK, cruzamento com a Quintino, peguei o ônibus da linha Puerto Iguazú para o lado argentino. Este pode ser pago com reais [R$ 4] ou com pesos argentinos [$ 15]. Desci em uma parada em Puerto Iguazú em frente ao Punto Iguazú Paseo Comercial [se pedir ao motorista ele avisa a parada exata]. Ao atravessar a rua para a outra parada logo em frente à que desci, há duas opções: ônibus que vem da cidade de Puerto Iguazú que custa R$ 17,50 ou $ 35 pesos; a outra opção é um táxi, mas com ressalvas: quando estava no ponto, o motorista convidou meu namorado e a mim para ir em uma corrida pagando o mesmo preço do ônibus e topamos, pois também outro casal brasileiro estava no táxi. Geralmente a corrida não custa o mesmo preço do ônibus, é mais cara, mas não sei quanto. Então, como o motorista do táxi mesmo disse, é bom arrumar companhia e negociar com taxistas para fazer o mesmo preço do ônibus. Ele nos deu a opção de pagar em pesos ou reais; nós pagamos em real, mas depois descobri que paguei muito devido ao câmbio do dia: $ 1 = R$ 0,24, então pelo câmbio a passagem deveria custar R$ 9 aproximadamente, não R$ 15 como pagamos. É preciso lembrar que o preço da passagem não sofre variação cambial e tem um preço fixo. Tudo bem, chegamos inteiros ao parque!
Quati, parece gente! [kkkkk....] E as graciosas borboletas que pousaram em mim e em Amor para aproveitar a umidade.
Quando chegamos ao parque pagamos a entrada com o justo preço informado no site do lugar. A entrada dá direito à fazer os circuitos descritos acima + Garganta del Diablo. Na volta do parque até o Punto Iguazú Paseo Comercial, pegamos um ônibus pagando $ 35 pesos. Não sei se aceitam reais, pois não perguntei. Nesta última parada, peguei o ônibus para Foz do Iguaçu, voltando para a cidade brasileira, e desci novamente na Av. JK, voltando pra o hotel.
Detalhe: antes de entrar ou sair de Puerto Iguazú, passamos na aduana [nome em espanhol para alfândega, onde há o controle de entrada e saída de estrangeiros]. Brasileiros podem levar o RG ou o passaporte [se quiser mais um carimbo!] e estrangeiros apenas o passaporte. O motorista do ônibus avisa onde devemos descer. Na alfândega entregamos o documento aos agentes da polícia argentina que fazem uma espécie de cadastro e depois devolvem o documento. Em seguida passamos por um RX [bolsas e você mesmo, tipo aquele do aeroporto] e subimos de volta ao ônibus. O RX é apenas na ida, na volta não passei [acho que não precisa].
Bom, acho que é isso. Mais informações sobre essa maravilha Argentina no site da Concesionaria del Parque Nacional Iguazú, inclusive os preços de entrada. Espero ter colaborado com o planejamento de sua próxima viagem!


13 de fevereiro de 2014

Tarde leve no Parque das Aves em Foz do Iguaçu, PR

Verão pra mim é a época em que ponho o pé na estrada! Aproveito as férias para ir a lugares já conhecidos ou explorar lugares novos. Essa semana escolhi Foz do Iguaçu como destino e aproveitei pra trazer o Love comigo. É a segunda vez que viajo para a cidade e quero aproveitar bem mais desta vez. O primeiro dia aproveitei pra visitar o Parque das Aves.
Mapa panorâmico do parque.
O parque tem uma configuração de zoológico, mas é exclusivo para aves. São uns 800 tipos de aves em um pedaço preservado da Mata Atlântica nacional e o passeio é feito circulando a pé dentro desse paraíso. O que achei mais legal foram os viveiros em que podemos entrar e "interagir" com as aves. Interagir entre aspas, pois é claro, não se pode tocar nas aves, mas dá pra chegar muito perto!
Eu e o tucano, o tucano e eu!
Entre os viveiros "interativos" estão: o Viveiro Floresta, onde estão aves como os tucanos-de-bico-verde [estes parecem que posam para as fotos todo o tempo] e os mutuns-de-penacho; o Borboletário onde estão as borboletas, beija-flores e tarântulas [estas estão bem presas, graças a Deus!]; e o Viveiro das Araras onde estão as araras e os papagaios. Um show de natureza!
Os tucanos ficam bem pertinho. Eles são muito curiosos.
No Borboletário.
Viveiro das Araras.
Além disso há outras aves que estão em seus viveiros, mas nós não podemos entrar por medidas de segurança. Entretanto não deixam de encantar a todos que visitam o lugar.
Papagaios, chaveirinhos da Copa do Mundo de 2014.
Coruja.
Jacaré.
Se você gosta de aves ou nunca parou para observá-las, vale a pena visitar o Parque das Aves. Mais informações no site do Parque das Aves. 
Na área de convivência do parque.


9 de fevereiro de 2014

Princess Deluxe na Feira Off Brasil em Salvador, BA

Olá Meninas!

Vocês já foram na Feira Off Brasil Só para Mulheres no Centro de Convenções em Salvador? Nossa, está muito bom! Eu conferi a feira logo no primeiro dia e consegui ver muita coisa linda. De todos os expositores, consegui bater um papo rapidinho com a Princess Deluxe de São José dos Campos, São Paulo. Já deixo o link da página deles no Facebook: Princess Deluxe.
A Princess traz uma série de acessórios apaixonantes: são sandália, brincos, pulseiras, colares, headbands, dreads tudo com muito brilho e glamour. As peças são à base strass, pedraria, penas, fitas, miçangas e muito mais. É um mundo brilhante! Uma das novidades que a Princess trouxe pra Salvador foi uma headband versátil que pode ser usada como o acessório para o cabelo e talvez até um colar. O acessório é lindo confeccionado com strass, cordão e penas, em que você pode logo compôr seu look para o Carnaval.
Jamile, vendedora da Princess, usa a headband que é um escândalo!!
Mas o que mais me chamou atenção foi o lançamento da Princess na feira: o coque donut. É, donut, aquela famosa rosquinha famosa em filmes de policiais americanos. Segundo a Bia, proprietária da Princess, o coque teve origem na França originalmente feito do lado da cabeça, mas famosas como Jennifer López, Angelina Jolie e Fernanda Lima fizeram sucesso com o coque no alto da cabeça popularizando a nova posição.
Fernanda Lima, Angelina Joulie, Bia, da Princess, e Jennifer López (fotos de divulgação).
A Bia faz o penteado na hora na cabeça de quem quiser e fica um charme! Ela incremeta o coque com enfeites fantásticos e cheios de estilo. O dread é que faz mais sucesso. Para fazer o coque ela usa uma base para coque que custa R$20 e o incrementa com acessórios que custam de R$5 a R$55. A Bia fez um na hora com uma cliente e eu fotografei alguns momentos. Olha só:
Este ano a a Feira Off Brasil traz as tendências para este verão que vão encantar a todas:
Outra cliente que fez o coque donut lá na hora.
body com as costas nuas e os biquíni com franja são os destaques. Nos acessórios fazem sucesso os sapatos com transparência, os cintos com pedraria na fivela e as bijus com muito strass, couro, pedraria e correntes.
































Na feira você encontra também peças elaboradas pelos índios das tribos de Porto Seguro, BA, uma infinidade de opções em roupas, bolsas de couro e as novidades em matéria de rasteiras e sapatilhas.
Meu look Feira Off Brasil.
Meninas, ainda dá tempo. Corre lá! A feira termina nesta terça, 11/02. Aproveitem também o Clube das Mulheres. O ingresso custa R$13.

3 de fevereiro de 2014

Coruja Acessórios em Morro de São Paulo, BA

Tudo bem com vocês nesse incrível verão? Quem nos acompanha pelo Instagram e pelo Twitter viu que fechei o mês com um relax em Morro de São Paulo, BA. Desde quando vim a Morro conheci uma loja linda, a Coruja Acessórios e, claro, não poderia perder a oportunidade de conhecer mais de perto essa loja. Tive o prazer de bater um papo super animado com a proprietária Gabriela Giorgelli.
Corujinhas espalhadas pela loja... 
A Gabriela está há 14 anos em Morro de São Paulo e a Coruja existe a 2 anos. Ela disse que o projeto da Coruja nasceu pelo anseio do diferencial entre as lojas de Morro. Antes ela tinha uma loja que vendiam produtos surfwear, mas segundo ela, na localidade existiam lojas de roupas que vendiam sempre os mesmo produtos e a Gabriela sentia falta de um lugar que vendesse acessórios, bijus e sapatos que pudessem expressar o clima zeen do lugar. Daí surgiu a Coruja Acessórios que hoje conta com um acervo lindo composto por calçados das marcas AmazonasCravo Canela e Petite Jolie, bijus, bolsas e acessórios de todos os lugares do mundo e uma seção moda praia encantadora.
Calçados da Coruja das macas Petite Joulie (acima), Amazonas (à esquerda) e Cravo Canela (à direita). Ah! as sandálias da Cravo Canela são as que mais me apaixonei <3...
Gabriela me contou que os calçados foram escolhidos a partir do material - couro e plástico - e depois vieram as marcas já citadas que a conquistaram completamente e foram cruciais para a escolha do acervo em exposição na loja. Ela ainda contou que os calçados são escolhidos a dedo, segundo o design e os detalhes que apresentam - bordados, tecido, strass, brilhos etc.
Colares da Coruja Acessórios.
Já as bijus e acessórios são comprados a partir de um severo garimpo que a própria Gabriela faz em viagens realizadas ao longo do ano. Ela disse que as bijus e acessórios tem diversas origens: várias cidades do Brasil, principalmente Rio e São Paulo, e países como Argentina, Tailândia, China, Estados Unidos [principalmente NY], e são escolhidas pela riqueza de detalhes que apresentam.
Brincos da Coruja: atendem a todos os gostos.
Pulseiras da Coruja
Realmente é de enlouquecer quando se vê a beleza das peças que misturam couro, tecido, pena de aves, pele sintética, corrente, metal, plástico, pedras, miçangas e uma infinidade de materiais. A Gabriela confessou que escolhe as peças segundo seu gosto pessoal, mas que também traz consigo peças que acha incrível, mas que não usaria, por não pertencer a seu estilo.
Cases para celular e óculos (acima), tiaras (à esquerda) e chaveiro e porta moedas (à direita). 
Bolsas de tecido da Coruja.
Outro show à parte é a decoração da loja. Gabriela disse que a ideia da decoração e da vitrina foi dela, pois ama detalhes rústicos. O que chama atenção de primeira é a vitrina, altamente colorida e sedutora com os produtos que apresenta. Ao entrar na loja, nos deparamos com um alto nível de organização - peças agrupadas segundo a categoria: pulseiras, brincos, colares, acessórios, bolsas, calçados, roupas, lenços, óculos - e um amplo espaço central que facilita a movimentação. No meio um banco de madeira de jaqueira hiper rústico que convida à uma sentadinha para admirar as peças maravilhosas da loja.
Na Coruja também tem moda praia e lenços maravilhosos...
Foto da vitrina pela parte interna da loja
Meninas, quando vier a Morro de São Paulo, não deixem de conhecer a Coruja Acessórios. Pra ir esquentando, passa na Fanpage Coruja Acessórios no Facebook e interage com a Gabriela. Lá tem as fotos de alguns produtos disponíveis na loja. Detalhe: a loja consegue atender a todos os públicos de forma muito democrática.
In Love! Amei a Coruja!