24 de janeiro de 2013

De volta ao paraíso: Boipeba, BA

Neste fim de semana resolvi voltar à Boipeba com uns amigos para mostrar-lhes como é o lugar. Eles adoraram e eu conheci mais um pedacinho desta linda ilha. Você sabe que já fui lá algumas vezes e você pode rever no post Relax em Boipeba e Ainda não é o fim.
Pra curtir Boipeba escolhi um look acorde com o lugar: o vestido Artesanía Bijuterias, um chapéu panamá rosa e um óculos com lentes claras, ideal para dias nublados.
Esses dias Boipeba estava com um tempo nublado e choveu muito no sábado, coisa que é rara de acontecer na região neste período de alto verão! Mas, até com chuva Boipeba é muito bonita.
Praia de Tassimirim
Desta vez fui conhecer um lugar com um nome inusitado: Morro do Quebra Cu. Bem, não sei porque este nome, mas enquanto subia no morro imaginei: uma ladeira bem íngreme toda de terra; quando chove, deve virar pura lama e, subir até lá deve ser um desafio. Imagina cair... hahaha... Acho que foi dai que veio o nome. Bem baiano!
Lá de cima uma vista incrível da boa parte da ilha: pude ver a Praia da Cueira, um pedaço do Rio do Inferno, a vila e o atracadouro..é lindo demais! Pena que não pude curtir o pôr do sol :(. 
Vista do Morro do Quebra Cu: vila, atracadouro, Praia da Cueira e o infinito... 
Vista desde o Morro do Quebra Cu: Rio do Inferno e extensão da Ilha. Explicação simples: a Ilha que se vê ao longe é a Ilha de Cairú, onde fica Morro de São Paulo e Boipeba fica na Ilha de Boipeba!
Ah, que dá vontade de ficar um tempão admirando esta beleza...
Nós amamos! Não perca tempo: escolha Boipeba como seu próximo destino de viagem. Mais dicas? Deixa um comentário aí embaixo. Terei o maior prazer em te ajudar!

8 de janeiro de 2013

Biju na praia dá? Edição 2013

Desde quando comecei a fabricar bijus [faz uns 8 anos] pensava em criar peças com materiais que pudessem ser molhados e fossem resistentes às adversidades do verão, pois sei que há pessoas como eu que amam estar produzidas também na praia. Depois de experimentar alguns materiais a resposta chegou: Claro que SIM! Principalmente se você não abre mão dos adornos para sua produção.
As bijus para a praia devem ser feitas com materiais que podem ser molhados, sequem rápido e sejam resistentes ao salitre. Invista em peças de acrílico, tecido ou elementos naturais como madeira, palha ou coco e que contenham poucas ou nenhuma parte de metal, evitando que enferrujem ou causem alergia em contato com a água salgada e/ou sol.
No meu look de praia investi em um colar de malha com fechamento laço e umas pulseiras de acrílico revestidas com cordão, peças feitas no ateliê Artesanía Bijuterias.
Colar de malha e pulseira de acrílico revestida com cordão de Artesania Bijuterias.
Eu amo! E você, usa biju na praia?

6 de janeiro de 2013

Os cantos do Pelourinho em Salvador, BA

Sempre e quando vou à Salvador visito sempre o Pelourinho. É um lugar que me encanta pela bela vista da Baía de Todos os Santos e principalmente por que lá encontro as mais puras manifestações da cultura baiana e artesanato por todas as partes.
Vista para a Baía de Todos os Santos do alto do Pelourinho.
A palavra "pelourinho" remete à época em que a Bahia foi colonizada pelos portugueses que trouxeram os negros como escravos para o lugar. Assim, o termo designa uma coluna de madeira ou pedra erguida no meio da praça pública utilizada para castigar os criminosos, negros e qualquer que fizesse mal aos olhos dos colonizadores corrompendo a ordem e a moral.
Praça Terreiro de Jesus.
Esta semana meu giro começou pela Rua Gregório de Mattos onde está localizado a loja Didara de Goya Lopes, design baiana que desenha estampas étnicas para tecidos. Vale a pena conferir, são estampas encantadoras.
Fachada da loja de Goya Lopes.
Depois segui para o Museu Temporal. A casa foi inaugurada a poucos anos e vi a exposição da coleção de postais de cidades baianas, inclusive minha cidade Feira de Santana, e bairros de Salvador, retratando a evolução arquitetônica dos lugares. Destaque para a exposição "O Pelourinho através do tempo e suas transformações" que mostra as transformações ocorridas no bairro principalmente no século XX. Hoje o Pelourinho é Patrimônio da Humanidade reconhecido pela UNESCO desde 1985.
Saindo de lá, dei uma passadinha no Centro de Cultura Solar Ferrão para ver a exposição "Os homens de ferro" de Alberto Pitta, que celebra em 2013, os 15 anos do Cortejo Afro. Destaque para as estátuas dos exus que tinham a representação do órgão genital masculino em tamanho maxi!!
Estátua de um orixá.
Dentre os visitantes, alguém tinha que perguntar [é claro!! ;)] por que o tamanho era tão grande. A monitora da exposição explicou que os exus ali representados eram os quais era atribuído a fertilidade, por isso a representação do falo em tamanho grande. Nada mais justo: o macho reprodutor tinha que ter essa característica bem marcante!!
Terminei minha visita no Museu da Gastronomia Baiana gerido pelo SENAC. A exposição permanente conta a história das gastronomia da Bahia, os ingredientes que a compõe e os instrumentos e utensílios usados para a culinária. Hum... que delícia!!
Panelas fazem parte da exposição no Museu de Gastronomia.
Para o tour no Pelourinho escolhi um look bem leve que harmonizasse com o lugar. Optei por um look étnico usando um mini vestido branco com bordados e aplicações que amo!! Este trouxe de uma viagem à Itacaré, Bahia.
Look para o passeio no Pelourinho.
Nos pés uma sandália vindo da Itália que ganhei do Love com aplicações em madeira e conchas, uma pulseira feita com osso e madeira da tribo indígena de Porto Seguro, Bahia e um brinco de miçangas, tudo em harmonia com o lugar. E para proteger do sol um chapelão! O toque de ousadia deixei para a maxi bolsa laranja que também ganhei do meu Amor. AmoOoOoo...

3 de janeiro de 2013

Vestido by Artesanía: cheio de Estilo

Este verão ganhei uma peça de roupa muito estilosa: uma canga que pode ser usada como vestido! Algumas amigas e eu adoramos a ideia e como nunca tinha visto aqui no Brasil, resolvi fazer a minha peça piloto com malha liganete. Até agora descobri duas maneiras de usar:

1. Amarradinha atrás com um pequeno nó.
Versão praia amarradinha.
2. Com cinto.
Versão praia com cinto largo.
Dá pra ir à praia ou à uma festinha com os amigos.
Versão festinha.
Amei!